Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Notícias

2014: Ano Internacional da Agricultura Familiar

  • 23 de janeiro de 2014
  • crn1


 
O ano de 2014 foi instituído pela a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) como o Ano Internacional da Agricultura Familiar. Com isso, pretende-se  aumentar a visibilidade da agricultura familiar e dos pequenos agricultores, focalizando a atenção mundial em seu importante papel na erradicação da fome e pobreza, provisão de segurança alimentar e nutricional, melhora dos meios de subsistência, gestão dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e para o desenvolvimento sustentável, particularmente nas áreas rurais.
As atividades em comemoração ao Ano Internacional da Agricultura Familiar serão lançadas neste mês pelo comitê brasileiro, composto por 32 entidades da sociedade civil e 18 órgãos de governo, dentre eles, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). A programação vai incluir atividades que ampliam a visibilidade da agricultura familiar, a importância econômica, contribuindo para o aperfeiçoamento das políticas públicas.
Assim como o Brasil, 45 países já formaram seu comitê e preparam atividades em prol da agricultura local. Além dos grupos nacionais, existe um comitê formado pelo Brasil e países do Mercosul, que lançarão em fevereiro a programação de atividades conjuntas.
Especialistas estimam que haja mais de 500 milhões de áreas de agricultura familiar no mundo, incluindo agricultores de pequena e média escalas, camponeses, povos indígenas, pescadores e criadores. Pelo menos 70% da população com insegurança alimentar vivem em zonas rurais da África, da Ásia, da América Latina e do Oriente Próximo.
Para acompanhar e planejar as atividades relacionadas ao Ano Internacional da Agricultura Familiar o Ministério do Desenvolvimento Agrário criou, no Dia Mundial da Alimentação, celebrado em 16 de outubro, o Comitê Brasileiro para o Ano Internacional da Agricultura Familiar (AIAF). O grupo é composto por 18 órgãos ou entidades públicas – entre eles, 12 ministérios – e representantes da sociedade civil.
 
Fonte: Redenutri