Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Notícias

Anvisa: alimentos têm resíduo de agrotóxico acima do permitido

  • 29 de outubro de 2013
  • crn1

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou relatório nesta terça-feira onde alerta que boa parte das frutas, legumes e verduras consumidos pelos brasileiros apresenta altas taxas de resíduos de agrotóxico. Segundo o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), 36% das amostras analisadas em 2011 e 29% das amostras de 2012 apresentaram irregularidades.
A Anvisa analisou 3.293 amostras de 13 alimentos monitorados: abacaxi, alface, arroz, cenoura, feijão, laranja, maçã, mamão, morango, pepino, pimentão, tomate e uva. A escolha dos alimentos baseou-se nos dados de consumo obtidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na disponibilidade destes alimentos nos supermercados no Distrito Federal e nos estados e no perfil de uso de agrotóxicos nestes alimentos.
De acordo com a Anvisa, pelo menos dois agrotóxicos que nunca foram registrados no Brasil foram detectados nas amostras: o azaconazol e o tebufempirade. “Isto sugere que os produtos podem ter entrado no Brasil por contrabando”, diz a agência.
O alimento campeão de irregularidades é o pimentão. Das 213 amostras analisadas em 2011, 89% apresentaram violações – a maioria por uso de agrotóxicos não autorizados. Em 2012, o produto não foi analisado.
Depois do pimentão, aparecem a cenoura, com irregularidades em 67% das amostras analisadas em 2011 e 33% em 2012; o morango (59% em 2012, ficando de fora da análise de 2011); o pepino (44% em 2011 e 42% em 2012); o alface (43% em 2011); e o abacaxi (41% em 2012).
Após a divulgação do relatório, a Anvisa determinou a criação do Grupo de Trabalho de Rastreabilidade, com o objetivo de elaborar uma proposta de normatização para disciplinar a rotulagem e a rastreabilidade de produtos vegetais in natura, “dispostos para o consumo humano, em toda a cadeia de distribuição e comercialização”.
 
Fonte: Jornal do Brasil