Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Notícias

Dormir pouco aumenta consumo de calorias e diminui capacidade de o corpo queimá-las

  • 10 de julho de 2012
  • crn1

Pesquisadores das universidades alemãs de Tübingen e de Lübeck concluíram que o comprometimento do sono não só faz com que uma pessoa consuma mais calorias, mas também prejudica a capacidade que o corpo tem de queimá-las. O estudo foi apresentado nesta terça-feira no encontro anual da Sociedade para Estudo de Comportamento Digestivo (SSIB, sigla em inglês), que acontece até sábado em Zurique, na Suíça.
Para avaliar o impacto a curto prazo da restrição do sono, a equipe selecionou um grupo de 14 homens saudáveis que apresentavam peso normal. Os participantes foram avaliados duas vezes: em uma delas, após terem dormido por oito horas seguidas; e em outra, após passarem um dia inteiro sem dormir. Durante o período do estudo, os indivíduos também relataram o que comiam, realizaram exames de sangue e também passaram a usar um acelerômetro, aparelho que mede a intensidade dos exercícios físicos. Além disso, os pesquisadores mediram a quantidade de energia gasta pelo organismo desses homens por meio da calorimetria indireta, um exame que mede a taxa metabólica em repouso de uma pessoa.
Segundo os autores, após uma noite sem dormir, os participantes relataram sentir mais fome do que o normal. Além disso, os resultados dos exames de sangue mostraram que, nesse período, aumentaram os níveis de grelina, o ‘hormônio da fome’, conhecido assim por induzir a vontade de comer, na corrente sanguínea. Além disso, após uma noite sem dormir, esses homens também se movimentaram menos, relataram mais cansaço e gastaram menos energia em repouso.
Para os pesquisadores, esses resultados mostram que os prejuízos de uma noite de privação do sono são múltiplos e afetam diretamente o ganho de peso. Eles acreditam que estudos feitos no futuro vão poder dizer se aumentar as horas de sono pode ser uma abordagem utilizada para a perda de peso, ajudando a tratar pessoas com obesidade ou diabetes, por exemplo.
 
Fonte: Revista Veja Online